Do corpo à arquitetura

10 de junho
10:30-13:00

Praça

INSCRIÇÕES

Evento de participação gratuita.

Atividade aberta a participantes maiores de 15 anos,  mediante inscrição prévia.

Limite de participantes: 15 pessoas

A mútua influência entre as duas entidades indicadas no título da actividade (corpo e arquitetura) será tema de reflexão ao longo do decorrer da mesma. A partir da escolha de diferentes espaços no centro comercial 1º de Maio, procurar-se-á dar expressão à influência que esses mesmos espaços exercem sobre o comportamento humano. Com este exercício propomos reconhecer que através da condição material do edifício conseguimos definir percursos, limites, enquadramentos, texturas, qualidades de movimento, e comportamentos – maior parte das vezes adoptados de forma inconsciente. A actividade propõe reconhecer a dimensão corporal e a espacial, colocando em evidência a sua intrínseca relação. O corpo como objeto de estudo arquitetónico, e o espaço como estudo de movimento. A partir da exploração da condição de limite espacial, identificamos como ferramenta operandi o contraste de duas posições distintas: a do corpo num espaço interior, que o delimita, e a do corpo num espaço exterior.

BIOS

Ana Mafalda Marques (Arquiteta) – Mestre em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP). Terminou o curso em 2021 com a apresentação da Tese intitulada de  “Estudo do processo projetual de Alvar Aalto – beleza e funcionalidade em Arquitetura”. No ano de 2018-2019 fez Erasmus na École nationale supérieure d’architecture de Versailles (ÉNSA-V) tendo tido como professores Matthias Armengaud e Stéphanie de Courtois. A sua estadia em França fez com que desenvolvesse um particular interesse por Paisagem e Urbanismo. No mesmo ano 2019 estagia no gabinete AWP agence de reconfiguration territoriale em Paris, a convite do seu professor de projeto em Versailles. Através desta experiência teve a oportunidade de colaborar na apresentação do projeto do gabinete na Biennale d’architecture et de paysage Ile de France (BAP).

Em 2021, como complemento aos seus estudos, frequenta a Unidade de Formação Contínua “Património e Paisagem. Gestão Análise, Projeto” na FAUP, formação integrada na Cátedra UNESCO “Património, Cidades e Paisagens. Gestão Sustentável, Conservação, Planeamento e Projeto”. 

Juliana Fernandes, artista vianense licenciada em dança pela Escola Superior de Dança desde 2017. Desenvolve pesquisa de movimento em vários workshops e formações intensivas entre Bruxelas e Berlim, destacando o trabalho de Butoh e body resonance com Yumiko Yoshioka.

Em 2020 termina a sua formação profissional intensiva pelo Performact, onde continua no ano seguinte integrante da equipa de organização e produção. Neste sentido leccinou aulas de Research e Improvisação e criou a peça «Sonata for Vacuum and H. strings» apresentada no Teatro Cine de Torres Vedras e no Festival Multiplicidades.

No mesmo dia